ad

Jó 3

Jó lamenta o dia de seu nascimento.

1Depois disso, Jó abriu a boca e amaldiçoou o dia de seu nascimento. 2E Jó falou, e disse:

3“Pereça o dia em que nasci

E a noite em que se disse:

‘Foi concebido um varão’.

4Que esse dia seja escuridão;

Que Deus não o considere de cima,

Nem que a luz brilhe sobre ele.

5Que a escuridão e a sombra da morte o manchem;

Que uma nuvem habite sobre ele;

Que a escuridão do dia o aterrorize.

6Quanto àquela noite, que a escuridão se apodere dela;

Não se acrescente aos dias do ano,

Não entre no número dos meses.

7Veja, que aquela noite seja solitária,

Que nenhuma voz alegre venha nela.

8Amaldiçoem os que amaldiçoam o dia,

Que estão prontos para levantar o Leviatã.

9Sejam escuras as estrelas do crepúsculo;

Deixem-nas procurar luz, mas não tenha nenhuma;

Nem que vejam o raiar do dia:

10Porque não fechou as portas do ventre de minha mãe,

Nem escondeu a tristeza dos meus olhos”.


11“Por que eu não morri no ventre?

Por que não desisti do espírito quando saí da barriga?

12Por que os joelhos me receberam?

Ou por que os seios me amamentaram?

13Pois agora eu teria ficado quieto e calado,

Eu teria dormido:

Então, eu estaria em repouso,

14Com reis e conselheiros da terra,

Que constroem para si lugares desolados;

15Ou com príncipes que tinham ouro,

Que enchiam suas casas de prata:

16Ou porque não fui como uma criança natimorta;

Como crianças que nunca viram a luz.

17Ali os ímpios cessam de perturbar;

E ali descansa o cansado.

18Lá os prisioneiros descansam juntos;

Não ouvem a voz do opressor.

19Os pequenos e os grandes estão lá;

E o servo está livre de seu senhor”.


20“Por isso é dada luz ao miserável,

E vida ao amargurado de alma;

21Aquele que anseia pela morte, mas ela não vem;

E que cava mais por ela do que por tesouros escondidos;

22Quem são os que se regozijam muito

E se alegram quando encontram a sepultura?

23Por que é dada luz a um homem cujo caminho está escondido,

E a quem Deus cercou?

24Pois o meu suspiro vem antes de eu comer,

E os meus rugidos se derramam como as águas.

25Pois a coisa que eu temia muito me sobreveio,

E o que eu temia veio a mim.

26Eu não estava em segurança, nem descansei,

Nem fiquei quieto; mas o problema veio”