ad

Romanos 11

O remanescente de Israel.

1Eu digo então: Deus rejeitou o Seu povo? De maneira nenhuma. Porque eu também sou israelita, da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim. 2Deus não rejeitou o Seu povo, que antes Ele conheceu. Não sabem o que a escritura diz de Elias? Em como ele faz intercessão a Deus contra Israel, dizendo: 3“Senhor, eles mataram os Seus profetas, e desenterraram os Seus altares; e sou deixado sozinho, e eles buscam minha vida”. 4Mas o que diz a resposta de Deus para ele? “Reservei para mim sete mil homens, que não dobraram os joelhos à imagem de Baal”. 5Mesmo assim, no presente momento também há um remanescente de acordo com a eleição da graça. 6E se é pela graça, então não é mais pelas obras; caso contrário, a graça não é mais graça. Mas se for de obras, não haverá mais graça: caso contrário, a obra não é mais obra.

7O que então? Israel não obteve o que buscava; mas a eleição conseguiu, e o restante ficou cego. 8Conforme está escrito: 

“Deus lhes deu o espírito do sono, 

Olhos que não veem 

E ouvidos que não ouvem, 

Até o dia de hoje.”

9E disse Davi:

“Seja feita a sua mesa um laço, uma armadilha, 

Uma pedra de tropeço, e uma recompensa para eles:

10Deixe seus olhos escurecerem, para que não possam ver, 

E incline sempre as costas.”

 

Os judeus restaurados no futuro.

11Eu digo então: Eles tropeçaram para cair? De maneira nenhuma: mas, através da queda deles, a salvação chegou aos gentios, para provocá-los ao ciúme. 12Agora, se a queda deles é a riqueza do mundo, e a sua perda a riqueza dos gentios; quanto mais a plenitude deles?

13Mas eu falo para vocês que são gentios. Visto que sou apóstolo dos gentios, glorifico meu ministério: 14se, por qualquer meio, eu possa provocar ciúmes àqueles que são a minha carne, e salvar alguns deles. 15Porque, se a rejeição deles é a reconciliação do mundo, qual será o acolhimento deles, senão a vida dentre os mortos?

16E se a primícia é santa, assim é a massa; e se a raiz é santa, também são os ramos. 17Mas se alguns dos ramos foram quebrados, e vocês, sendo como uma oliveira silvestre, foram enxertadas no meio deles e se tornaram participantes deles da raiz da gordura da oliveira, 18não se gloriem contra os galhos. Mas, se vocês se gloriam, não são vocês que carregam a raiz, mas a raiz a vocês.

19Vocês dirão então: “Os ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado”. 20Bem falado; pela incredulidade deles foram rompidos, e vocês permanecem na sua fé. Não sejam tolos, mas tenham temor: 21pois se Deus não poupou os ramos naturais, nem a vocês lhes pouparão. 22Eis, pois, a bondade e a severidade de Deus: sobre os que caíram, severidade; mas para vocês, bondade, se vocês continuarem na Sua bondade; caso contrário, vocês também serão cortados. 23E eles também, se não permanecerem na incredulidade, serão enxertados; porque Deus pode enxertá-los novamente. 24Porque, se vocês foram cortados da oliveira selvagem por natureza e enxertados contrário à natureza em uma boa oliveira: quanto mais esses, que são os ramos naturais, serão enxertados em sua própria oliveira?

25Pois não quero, irmãos, que sejam ignorantes deste mistério, para que não sejam sábios em seus próprios conceitos; que a cegueira em parte aconteceu a Israel, até que a plenitude dos gentios chegue. 26E assim todo o Israel será salvo; assim como está escrito: 

“De Sião sairá o Libertador; 

Ele afastará a impiedade de Jacó:

27E esta é a Minha aliança para eles, 

Quando Eu tirar os pecados deles.”

28Quanto ao evangelho, eles são inimigos por sua causa; mas, no tocante a eleição, são amados por causa dos pais. 29Pois os dons e o chamado de Deus são sem arrependimento. 30Porque, como em outro momento não creram em Deus, agora obtivemos misericórdia pela sua incredulidade: 31assim, estes agora também não creram, para que através da sua misericórdia eles também possam obter misericórdia. 32Pois Deus encerrou todos eles na incredulidade, para que Ele tenha misericórdia de todos.

33Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e os seus caminhos incompreensíveis! 

34“Pois quem conheceu a mente do Senhor? 

Ou quem foi Seu conselheiro?”

35“Ou quem primeiro Lhe deu, 

Para que isso lhe seja recompensado novamente?”

    36Porque d’Ele, e por Ele e para Ele são todas as coisas: a Ele seja glória para sempre. Amém.