Salmo 17

1. Ouve, ó Senhor, o que é justo, ouça o meu clamor, ouça a minha oração, que não sai de lábios fingidos.

2. Deixe minha sentença estar na tua presença; teus olhos contemplem as coisas iguais.

3. Tu provaste o meu coração; tu me visitaste de noite; tu me experimentaste, e nada achaste; meu propósito é que minha boca não transgrida.

4. Quanto às obras dos homens, pela palavra dos teus lábios me guardei dos caminhos do destruidor.

5. Suporte o meu andar nos teus caminhos, para que meus passos não escorreguem.

6. Clamei por ti, pois tu me ouvirás, ó Deus; inclina-me os teus ouvidos e ouve a minha palavra.

7. Mostra tua maravilhosa benignidade, ó tu que salvas pela tua mão direita os que confiam em ti daqueles que se levantam contra eles.

8. Guarda-me como a menina dos olhos, esconde-me à sombra das tuas asas,

9. Dos ímpios que me oprimem, dos meus inimigos mortais, que me cercam.

10. Eles estão envolvidos na própria gordura: com a boca falam com orgulho.

11. Eles agora nos cercaram em nossos passos: fixaram os olhos na terra;

12. Como um leão que é ganancioso de sua presa, e como um jovem leão à espreita em lugares secretos.

13. Levanta-te, Senhor, desaponta-o, lança-o fora; livra a minha alma dos ímpios, que é a tua espada;

14. Dos homens com tua mão, ó Senhor, dos homens do mundo, que têm sua parte nesta vida, e cujo ventre enche com o teu tesouro escondido; eles são cheios de filhos e deixam o resto da sua substância em paz. seus bebês.

15. Quanto a mim, contemplarei o teu rosto em retidão; ficarei satisfeito, quando acordar, com a tua semelhança.